mão de mulher usando ferramentas de marketing digital para médicos em tablet
Quais as principais ferramentas de marketing digital para médicos?
23/04/2021
homem com celular e notebook escrevendo em papel seu planejamento de linha editorial para marketing digital médico
O que é linha editorial e como ela pode ajudar no marketing digital médico
19/05/2021

Marketing digital médico: o que pode e o que não pode

médico com as mãos na cabeça por não ter seguido as boas práticas de marketing digital médico

O CFM (Conselho Federal de Medicina) é responsável por regular diversos aspectos do trabalho na saúde, incluindo o marketing digital médico. O órgão possui a resolução 1.974/11 de 2011 com orientações gerais para a publicidade médica. O documento foi atualizado em 2015 para abranger as novas mídias e formas de divulgação.

O conjunto de regras que rege a divulgação médica é revisado periodicamente para garantir que médicos possam acompanhar as evoluções tecnológicas que ocorrem sem parar. A resolução estabelece o padrão a ser seguido por qualquer profissional que deseje atuar com marketing médico.

Ela deve garantir que profissionais da saúde ajam com ética em todos os âmbitos de sua divulgação. Quem falha no cumprimento dessas regras recebe uma notificação do CFM e possui um prazo para corrigir os problemas encontrados. Caso isso não aconteça pode ser autuado pelo órgão.

O que é permitido no marketing digital médico

Cumprir as regras do CFM no marketing digital para médicos é o primeiro passo para elaborar uma estratégia de sucesso. Começaremos descrevendo exatamente o que é permitido para divulgar serviços e consultas. Continue lendo para garantir que sua divulgação se enquadra na Resolução 1.974/11.

1. Dar entrevistas a meios de comunicação variados

Médicos podem e devem aceitar entrevistas de todas as formas em meios de comunicação. Sejam eles revistas, jornais ou até mesmo blogs e redes sociais, pois as entrevistas possuem um papel informativo e social importante.

A única exigência para que isso seja possível é que o médico seja apresentado com seu nome completo e especialidade. Além disso, é importante falar sempre sobre assuntos relacionados a sua área de atuação. É uma maneira de tornar-se conhecido pelo público por ser uma referência.

Caso a matéria jornalística que utilizar entrevistas com um médico obtenha informações incorretas ou com as quais o profissional não concorde, ele deve enviar um ofício retificador à imprensa e ao CRM.

2. Ter redes sociais profissionais para o médico ou clínica

As redes sociais são uma das formas mais eficientes de divulgar serviços atualmente. Para o marketing médico elas trazem inúmeras vantagens, servindo como publicidade e forma de contato com seus pacientes. A partir de 2015 médicos não só podem ter as redes, como também podem divulgar seu telefone e endereço através delas.

O recomendado pelo CFM é que Instagram, Facebook e qualquer outra rede que o profissional da saúde tenha sejam usadas com propósito informativo. O ideal é tomar muito cuidado ao redigir os posts para que eles não assumam um tom sensacionalista ou excessivamente comercial.

Publicações também não devem “diagnosticar” patologias, doenças ou condições online. O médico só pode informar sobre os principais sintomas e sempre recomendar uma visita a um especialista para diagnóstico.

3. Ter um site profissional bem estruturado

Também é permitido ter um site para o profissional, clínica ou hospital onde ele trabalha. Novamente, é importante lembrar que tudo possui objetivo de informar a população. Apesar de incluir telefone e formas de contato, o site também não deve assumir viés publicitário.

Eventuais blog posts seguem a mesma recomendação. Todo o material precisa ajudar o leitor em sua rotina ou informá-lo sobre doenças, lesões e outras condições. Não importa a especialidade, esse princípio ético sempre deve ser mantido.

4. Usar ferramentas para agendamento digital de consultas

Com o comportamento digital dos consumidores cada vez mais frequente, é importante trabalhar com formas de facilitar o contato. A solução encontrada por muitos é usar ferramentas para agendamento digital, como apps e automação no Whatsapp.

Elas são permitidas! Tais ferramentas não são consideradas como parte da publicidade médica. No entanto, elas podem facilitar muito a rotina no consultório e complementar o trabalho online.

Em um site, por exemplo, é possível colocar um botão de Whatsapp para agendamento fácil. Combinando isso com uma boa otimização SEO e trabalho de anúncios no Google ADs é possível conseguir mais agendamentos ao longo do mês. O mesmo é válido para o Instagram e qualquer outra rede social.

5. Divulgar suas especialidades e procedimentos

Trabalha com especialidades que podem chamar a atenção do seu público? Excelente, o CFM permite que médicos divulguem essas informações em seu site e publicações de redes sociais. Elas também podem aparecer em todo o tipo de material impresso do profissional.

A única ressalva é quanto à quantidade de especialidades divulgada na publicação. Limite-se a somente 2 por vez. Também é permitido divulgar as sociedades médicas às quais o profissional pertence.

6. Divulgar sua titulação acadêmica e materiais publicados

Profissionais que possuem diversos títulos acadêmicos também têm permissão para mostrá-los em todo o seu material. Ao contrário do que acontece com as especialidades, não existem limites a quantidade pode ser divulgada, contanto que tudo esteja relacionado à área de atuação do médico.

Além disso, os títulos precisam ser registrados no CFM e devidamente reconhecidos. Títulos que não foram reconhecidos pelo órgão ou pela Comissão Mista de Especialidades não podem ser incluídos no marketing digital médico.

médica chateada apoiando a cabeça com as mãos por não ter seguido as boas práticas de marketing digital médico

O que é proibido no marketing digital médico

O maior cuidado que especialistas em marketing digital para médicos precisam ter é em evitar divulgações proibidas pelo CFM. Isso pode trazer sérios problemas para a clínica ou profissional da área da saúde. Confira o que evitar:

1. Garantir resultado de consultas ou procedimentos

É compreensível que queiramos sempre mostrar a qualidade do serviço prestado. Por isso, talvez você até sinta vontade de falar que um procedimento tem resultado garantido ou que possui uma taxa de 99% de sucesso. Mas para o CFM isso é considerado propaganda enganosa.

Termos como “o melhor”, “a melhor opção” ou “o mais eficiente” também devem ser banidos das suas peças de marketing médico. Os termos são considerados sensacionalistas e passam a ideia errônea de que o médico consegue prever completamente os resultados.

Garantir resultados de tratamentos é proibido na divulgação, seja ela digital ou offline. O médico sempre precisa informar que cada organismo possui sua reação e que os resultados obtidos em um paciente podem não ser replicados em outra pessoa.

2. Fazer propagandas ou anúncios de marcas comerciais no marketing digital médico

O médico também não pode veicular propagandas para qualquer tipo de produto ou marca comercial. Mesmo parcerias do tipo publipost são uma violação a essa regra e não podem ser realizadas. Entidades sindicais e organizações médicas também não podem realizar esse tipo de divulgação.

Médicos só têm permissão para realizar posts que expliquem um produto. Ao falar sobre um remédio, por exemplo, é possível ensinar seu funcionamento e dar exemplos de casos em que são indicados. Sempre lembrando os usuários de que o medicamento só deve ser usado sob recomendação médica.

Produtos, técnicas ou serviços não reconhecidos pelo CFM não devem ser mencionados no marketing digital médico.

3. Receber prêmios por sua atividade

Hoje é muito comum encontrar premiações na internet que têm como objetivo destacar profissionais e gerar autoridade. No entanto, quem trabalha com medicina está barrado de participar desse tipo de competição.

São exceção à regra homenagens prestadas por instituições acadêmicas, sociedades médicas ou órgãos públicos.

4. Divulgação de preços dos serviços no marketing digital médico

Mesmo quem trabalha com consultas a preços populares ou formas de pagamento facilitadas não pode realizar essa divulgação no marketing digital para médicos. Mostrar valores ou condições de pagamento é proibido pelo CFM quando se trata de um profissional médico, assim como a concessão de descontos, benefícios ou bonificações.

Agora que você já está ciente sobre as maiores proibições no marketing digital médico chegou a hora de criar conteúdo. O CFM estimula a criação de blogs e a divulgação de informações online, seja por meio de imagens, vídeos ou posts. Invista nesse tipo de publicidade para aproximar-se de seus possíveis pacientes e conseguir conquistar novos agendamentos.

Os comentários estão encerrados.





    Grato pelo envio.
    Em breve você começará a receber nossas newsletters.